Novo Coronavírus

pesquisa
     
 

Pergunte a um especialista

     
     
     
 
 
Detalhe do produto
 
Novo Coronavírus

Novo Coronavírus

  • Introdução
    • Novo Coronavírus
       
      Corona é uma família de vírus causadores de doenças respiratórias, os quais têm pontas que lembram as de uma coroa — daí o seu nome.  Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), um novo tipo do vírus, conhecido como 2019-nCoV ou "novo coronavírus", foi descoberto em 7 de janeiro pelas autoridades chinesas.
       
      Até então, eram conhecidos somente seis tipos de coronavírus que poderiam infectar humanos, desde variedades quase inofensivas (que causam a gripe comum) até às mais graves, como o Sars (Síndrome respiratória aguda grave) e o Mers (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), que mataram centenas de pessoas em epidemias nos anos 2000 e 2010, respetivamente.
       
      Os sintomas do novo coronavírus (2019-nCoV) podem incluir febre, tosse forte, grande cansaço e dificuldade em respirar. Há casos brandos, que se assemelham a um resfriado, e mais severos, que podem causar pneumonia, insuficiência renal, e morte. 

       

       

      Como tratar  

       

      Não há tratamento específico. Contudo, pesquisas estão em andamento e os especialistas aconselham a que se procure atendimento imediato.
      Na maioria das vezes, os sintomas desaparecem por conta própria, mas quando parecerem ser piores que um resfriado comum, deve consultar-se o médico.
      Os médicos podem aliviar os sintomas, prescrevendo um medicamento para dor ou febre.
      O CDC diz que um humidificador no quarto ou um banho quente podem ajudar na dor de garganta ou tosse. É importante beber bastantes líquidos, descansar e principalmente dormir o mais possível.

       

      Segundo a OMS: qual a proteção, para não ser infectado

       

      As recomendações padrão da OMS para o público em geral, com o objetivo de reduzir a exposição e principalmente a transmissão de uma série de doenças, são as seguintes:

      • Limpe as mãos com freqüência, lavando-as com água e sabão e usando um desinfetante à base de álcool;
      • Ao tossir e espirrar, cubra a boca e o nariz com o cotovelo e utilize lenços de papel descartáveis, lavando as mãos em seguida;
      • Evite contacto próximo com quem tem febre e tosse; Se tiver febre, tosse e dificuldade em respirar, procure atendimento médico imediato e partilhe, com o especialista, o histórico de viagens anteriores;
      • Ao visitar mercados ao ar livre, em áreas com casos de novos coronavírus, evite o contacto diretodesprotegido com animais vivos e superfícies em contacto com os mesmos;
      • O consumo de produtos de origem animal crua ou mal cozida deve ser evitado. Carne crua, leite ou órgãos de animais devem ser manuseados com cuidado, para evitar a contaminação cruzada com alimentos não cozidos, conforme as boas práticas de segurança alimentar.

       

      Inativação dos vírus através do calor

       

      Os vírus não são considerados organismos vivos, porém dependem de células vivas para se multiplicarem. A estrutura do vírus inclui um envelope constituído por proteínas e pelo material genético, como DNA ou RNA.

      Todos estes componentes são sensíveis à temperatura. O material genético e as proteínas têm estruturas complexas para regular a sua função, e uma mudança nesta estrutura pode conduzir a uma perda de função conhecida como desnaturação. Há dois meios básicos pelos quais a desnaturação ocorre: uma mudança no pH ou na temperatura.

       

      Alguns exemplos da inativação de vírus pelo calor 

       

      Numerosos estudos têm sido realizados sobre a inativação de vírus através da aplicação de calor. Por exemplo, o vírus do HIV no sangue morrerá quando exposto a 77°C apenas por 0.006 segundos. Noutro estudo, o “parvovirus” e o “fago phiX174” foram completamente inativados quando expostos a 103°C por 90 segundos. No caso do vírus do herpes, temperaturas elevadas inibem a libertação das proteínas necessárias para o sucesso da infeção.

      Os vírus transportados por via aérea não são diferentes. Um estudo do vírus sincicial respiratório (a causa principal de pieira em crianças com menos de 2 anos) mostrou que quando o vírus é exposto a 65°C durante 45 minutos, a capacidade da infeção é diminuída e as proteínas conformacionais são transformadas, o que resulta na redução da atividade de substâncias responsáveis pela inflamação, a hipersensibilidade e danos às vias aéreas.

      O vírus do SARS (agente causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave) tem, no seu envelope, proteínas termosensíveis (sensíveis à temperatura), que podem ser totalmente desnaturadas a 55°C, a mesma temperatura em que se mostrou ser o vírus do SARS igualmente inativado.
      De forma similar, as proteínas essenciais para a transmissão infeciosa do vírus da gripe são sensíveis a variações de pH e a temperaturas entre os 55°C e os 70°C6.

       

      Airfree® e seu núcleo de cerâmica TSS™

       


      Acabámos de ver alguns exemplos de inativação do vírus por meio de aquecimento. Em todos esses casos as temperaturas foram inferiores à temperatura interna do núcleo de cerâmica Airfree TSS™, de 200°C.
       

       

      Desde 1977, estudos comprovam que quanto maior a temperatura, mais rapidamente as proteínas são desnaturadas. Portanto, podemos concluir que o purificador do ar Airfree® é eficiente, na maioria dos casos, na inativação das proteínas dos vírus, do que resulta a sua falta de capacidade de infeção.

       

      Importante

       

      A tecnologia Airfree é capaz de eliminar os vírus do ar e, portanto, representa uma grande aliada, ao reduzir a contaminação. Entretanto, não é possível garantir que o vírus irá ser eliminado pelo aparelho, antes de ser inalado. Portanto, o Airfree não substitui qualquer uma das medidas indicadas pelos órgãos de saúde para prevenir infeções pelo novo coronavírus.

       

      Como funcionam?

       

       

      Reduzem drasticamente os alérgenos do ar por incineração dos micro-organismos. Na sequência, o ar contaminado é arrastado para o núcleo cerâmico do Airfree® e destruído a altas temperaturas. Este ciclo de purificação do ar é silencioso, não necessita de manutenção e é assegurado por inúmeros testes. 

       

       

       

       

      CARACTERÍSTICAS AIRFREE®:

      Eficiente - Testado e aprovado em ambientes reais (sem simulações) nos melhores institutos do mundo. Airfree® destrói qualquer microrganismo que passe pelo seu conjunto cerâmico esterilizador, independentemente da sua periculosidade ou tamanho.

      Silencioso - Absolutamente sem ruído.

      Exclusivo - Tecnologia patenteada internacionalmente e exclusiva dos produtos Airfree®, a única que também reduz a concentração de ozono.

      Económico - Não há custos com troca de peças ou gastos significativos de energia, pois o consumo de um Airfree® é de apenas 48w por hora.

      Prático - Ligue e não se preocupe mais, já que os aparelhos não necessitam de manutenção ou limpeza.

      Sem contraindicações – Processo absolutamente natural que não utiliza produtos químicos ou tóxicos, nem radiação, e que também não interfere na temperatura ou humidade do ambiente.
       

       

       

       

       

       

       

       

  • FAQ´S
    • O que é que o novo coronavírus faz exatamente ao nosso corpo?

      Nos casos confirmados de doença em humanos, os sintomas comuns têm sido de doença respiratória aguda e grave, com febre, tosse, falta de ar e dificuldade respiratória. Com base na experiência clínica atual, a infeção apresenta-se geralmente como pneumonia. Causou insuficiência renal e morte, nalguns casos. É importante observar que o que se sabe atualmente da doença causada por esta infeção tem por base um número limitado de casos e pode mudar à medida que mais informações estejam disponíveis.

       

      Pode ser transmitido de pessoa para pessoa?
      Isso não se sabe ao certo, no momento. Os casos que ocorrem na mesma família aumentam a possibilidade de transmissão limitada de homem para homem. Como alternativa, é possível que os familiares infetados tenham sido expostos à mesma fonte de infeção, por exemplo numa casa ou local de trabalho.

       

      Eu poderia ser infetado com este vírus?
      Até ao momento não sabemos como é que os seres humanos foram infetados. Estão em curso investigações para determinar a fonte do vírus, os tipos de exposição que levam à infeção, o modo de transmissão e o padrão clínico e curso da doença.

       

      Existe uma vacina para o novo coronavírus?
      Ainda não há vacina disponível…

       

      Existe um tratamento para o novo coronavírus?
      Não existe tratamento específico para doenças causadas por novos coronavírus. No entanto, muitos dos sintomas com origem neste vírus podem ser tratados e, portanto, esse tratamento deve basear-se nos sintomas do paciente. Além disso, os cuidados de suporte às pessoas infetadas podem ser altamente eficazes.

       

      O que posso fazer para me proteger?
      Ainda não se sabe, com exatidão, de que forma as pessoas são infetadas por este vírus. No entanto, há algumas medidas genéricas que será sensato seguir, na prevenção de qualquer doença respiratória. Por exemplo, evitar contato próximo, quando possível, com qualquer pessoa que mostre sintomas da doença (febre, tosse e espirros) e manter uma boa higiene das mãos.

       

      Quantas pessoas foram infetadas pelo novo coronavírus?
      A OMS está a monitorar de perto a situação e publica regularmente informações sobre a doença.

       

      Quão difundido será o novo coronavírus?

      Não se sabe ainda qual poderá ser a progressão deste vírus…

       

      Os profissionais de saúde estão em risco com o novo coronavírus?
      Muito mais do que o cidadão comum, os profissionais de saúde estão frequentemente em contato com pacientes com várias doenças infeciosas.
      Portanto, a OMS recomenda que estes profissionais apliquem, de forma sistemática, medidas apropriadas de prevenção e controle de infeções.
       

       

      O novo coronavírus é como a SARS?
      A SARS é um coronavírus identificado em 2003 e pertence à mesma grande família de vírus que o novo coronavírus. Portanto, a SARS e o novo coronavírus estão relacionados à distância, já que ambos podem ctãor doenças graves. No entanto, com base nas informações atuais, eles têm assinaláveis diferenças. Mais importante, o novo coronavírus não parece transmitir-se tão facilmente entre as pessoas como o vírus da SARS, que era muito mais transmissível.

       

      E verdade que este novo coronavírus teve origem em morcegos?
      Essa é uma possibilidade, mas a origem do vírus ainda não foi estabelecida.

       

      Os seres humanos podem ser infetados com novos coronavírus de animais? Se sim, com quais nos devemos preocupar?
      Atualmente não há evidências diretas de que os casos em humanos tenham tido origem no contato direto com animais.

       

      Como é que a OMS está a reagir ao aparecimento deste novo coronavírus?
      Desde que este vírus surgiu, a OMS tem trabalhado sob o Regulamento Sanitário Internacional para dar informações aos Estados Membros. A OMS também está a agir com os países envolvidos e parceiros internacionais, para coordenar a resposta global à saúde. Isto inclui o fornecimento de informações atualizadas sobre a situação, orientação às autoridades de saúde e agências técnicas de saúde sobre recomendações de vigilância provisória, testes laboratoriais de casos, controle de infeções e problemas clínicos. A OMS continuará a trabalhar com os Estados Membros e parceiros internacionais da saúde, compartilhando informações atualizadas à medida que ficarem disponíveis.

       

      Quão perigoso é o novo Coronavírus?
      Existem diversos tipos de coronavirus no mundo. A maioria causa sintomas leves a moderados, semelhantes aos de uma gripe normal. Contudo, o novo coronavirus tem causado pneumonias graves, que podem levar à morte, especialmente em idosos e pessoas com deficiência do sistema imunitário… Portanto, a periculosidade do coronavirus é relativa.

       

      De onde surgiu o nome coronavírus?

      Coronavírus é o nome dado a um grupo de vírus cuja forma lembra a de uma coroa (corona).

       

      Qual o nível de ameaça que o novo coronavirus representa?

      Existem alguns fatores que determinam o nível de ameaça do novo coronavirus: a região onde o indivíduo está, ou esteve, pelo menos 14 dias após o primeiro caso confirmado; o contato direto com algum portador da doença; e o estado de saúde do indivíduo. Para quem é saudável e se encontra em regiões distantes da China, a ameaça ainda é pequena. Contudo, para aqueles que têm a imunidade baixa, a ameaça já se torna maior. Em resumo, o perigo é muito maior para aqueles que se encontram dentro ou perto da China e que tenham baixa imunidade.

       

      A nível mundial, onde é que a doença já chegou?
      Segundo a Organização Mundial de Saúde, até 5 de fevereiro de 2020 ocorreram mais de 24.554 mil casos confirmados no mundo, sendo relatada 492 mortes. Apenas 191 casos foram reportados fora da China, em 24 países, em todos os continentes. 

       

      Qual o risco de a doença se transformar numa pandemia?

      A hipótese de que isso aconteça, ou seja, que a doença se espalhe pelo mundo, é incerta pois não se sabe em detalhe quão rapidamente o vírus é transmitido, nem qual o seu grau de letalidade.

       

      Qual é a história do coronavírus?

      Tudo leva a crer que o novo coronavírus tenha sido originalmente transmitido ao ser humano por um animal, e ainda esteja em processo de evolução e adaptação.

       

      As máscaras são importantes contra o novo coronavírus?
      As máscaras cirúrgicas são essenciais para as pessoas doentes e são recomendadas nas regiões mais afetadas, mas não garantem, a quem está saudável, uma proteção de 100% contra o vírus.

       

Airfree Produtos Eletrónicos SA
VAT 507174240
Rua Julieta Ferrão nº 10, 9ºPiso
Lisbon, Portugal
1600-131
Airfree Portugal
info@airfree.com
21 315 6222
www.airfree.pt